CAPD - A Diálise Peritoneal Ambulatorial Contínua é
também conhecida como DPAC é a forma mais comum de diálise peritoneal e especialmente indicada para pacientes idosos, crianças ou aqueles para os quais a hemodiálise não é conveniente ou possível. Este tipo de diálise, não precisa de máquina. Geralmente é realizada em casa em um local limpo e bem iluminado.

O próprio paciente pode fazer a infusão e a retirada (drenagem) da solução de diálise no abdômen ou pode ser auxiliado por uma outra pessoa especialmente treinada para fazer estas trocas de bolsas de solução. O sangue durante a CAPD está sendo depurado o tempo todo. A solução de diálise vai de uma bolsa de plástico através do Cateter até a cavidade abdominal e lá permanece por várias horas. A solução é então drenada e uma nova solução volta a encher o abdômen, recomeçando o processo de depuração.

Lembre-se: Um fator muito importante para o bom resultado desta diálise é o
treinamento do paciente ou responsável pela diálise, pois cada momento de troca entre as bolsas de solução de diálise deve ser cuidadosamente executado para que se evitem as infecções.

DPA - A Diálise Peritoneal Automática é parecida com a CAPD, porém nesta deve-se conectar o
Cateter a uma máquina que enche o abdômen e drena a solução de diálise automaticamente.
Este método é geralmente realizado durante a noite, enquanto o paciente dorme, permitindo maior liberdade ao paciente durante o dia.

DPI - Diálise Peritoneal Intermitente pode empregar o mesmo tipo de máquina usado na CAPD
para a infusão e drenagem da solução de diálise.
Normalmente a DPI é feita em hospital, sendo este método uma opção de tratamento para pacientes que não podem realizar outras formas de diálise.


Hemodiálise
A hemodiálise é um procedimento que filtra o sangue. Através da hemodiálise são retiradas do sangue substâncias que quando em excesso trazem prejuízos ao corpo, como a uréia, potássio, sódio e água.

Como funciona a hemodiálise?
A hemodiálise é feita com a ajuda de um dialisador (capilar ou filtro). O dialisador é formado por um conjunto de pequenos tubos. Durante a diálise, parte do sangue é retirado, passa através da linha arterial do dialisador onde o sangue é filtrado e retorna ao paciente pela linha venosa.

Atualmente, tem havido um grande progresso em relação à segurança e a eficácia das máquinas de diálise, tornando o tratamento bastante seguro. Existem alarmes que indicam qualquer alteração que ocorra no sistema (detectores de bolhas, alteração de temperatura e do fluxo do sangue, etc.)

Lembre-se: A máquina de diálise é sua aliada. Pergunte ao seu médico ou auxiliares de enfermagem como funciona a máquina onde você dialisa, pois quanto maior for o seu conhecimento, maior será sua confiança e melhores serão os resultados do tratamento.

Importante: Por Lei, um capilar de hemodiálise pode ser utilizado por 12 vezes no máximo, quando utilizado o reprocessamento manual, ou até 20 (vinte) vezes quando utilizado reprocessamento automático.
Só podem ser reutilizados dialisadores que apresentem capilares construídos com membrana biocompatível.

Em quanto tempo acontece a hemodiálise?
Em geral, a hemodiálise é feita três vezes por semana, com duração de 3:30h e 4:00h a cada seção. Este tempo pode variar de acordo com o tamanho e a idade do paciente, assim como em uma mulher grávida. De fato, crianças e adultos de grande porte podem necessitar de um tempo maior.

Não perca tempo: Aproveite o tempo da sessão de diálise para ler, escrever, conversar; assistir televisão ou simplesmente dormir um pouquinho.

Alguns problemas que podem surgir durante a hemodiálise.
E bastante comum sentir cãibras musculares e queda rápida da pressão arterial (hipotensão) durante a sessão de hemodiálise. Estes problemas acontecem, principalmente, em conseqüência das mudanças rápidas no equilíbrio dos líquidos e do sódio. A hipotensão pode fazer com que você sinta fraqueza, tonturas, enjôos ou mesmo vômitos. O início do tratamento dialítico pode ser um pouco mais difícil pois, nesta fase, o corpo está adaptando-se a uma nova forma de tratamento. Você poderá evitar muitas complicações se seguir a dieta recomendada, tomar poucos líquidos e tomar seus remédios nos horários corretos.

Saiba: Durante a sessão de hemodiálise, o médico ou auxiliares de enfermagem devem ser comunicados caso você não esteja se sentindo bem, para que receba o tratamento necessário rapidamente.

O que é peso seco?
Você já deve ter ouvido falar e pode ter sentido os prejuízos de chegar para a sessão de hemodiálise com um peso muito acima de seu peso seco. Mas afinal o que determina o seu peso seco?

O peso seco é o seu peso ideal, com o qual você deve estar sentindo-se bem, sem inchaços, com pressão arterial normal, com exames de avaliação do pulmão e do coração normais. Este peso deve ser atingido ao término de cada sessão de hemodiálise. Quando se ingere muita água ou outros líquidos entre as sessões de hemodiálise, o seu peso pode ficar muito acima do peso seco e, além do inchaço, você pode sofrer intensa falta de ar; antes de chegar o momento de uma nova diálise. Para perder todo o excesso de peso durante a próxima sessão, você estará sujeito a cãibras, queda acentuada da pressão arterial, náuseas, vômitos e mal-estar: Pergunte ao seu médico qual é o peso ideal para você e quantos quilos é permitido ganhar entre cada sessão de hemodiálise.

Lembre-se: Você se sentirá bem melhor se seguir à risca as determinações de seu médico quanto ao seu peso ideal.

Medicamentos e seu uso na hemodiálise
Os pacientes em hemodiálise, muitas vezes, necessitam de medicamentos que requerem cuidados especiais em sua administração. Os medicamentos para o controle da pressão arterial são chamados de anti-hipertensivo e devem ser tomados diariamente por pacientes com pressão elevada. Porém, alguns pacientes apresentam freqüentemente queda da pressão arterial (hipotensão) durante a hemodiálise, e podem ser dispensados do uso do anti-hipertensivo no dia da sessão de hemodiálise. Pergunte ao seu médico se você deve ou não tomar o anti-hipertensivo antes da sessão de diálise e siga rigorosamente as orientações recebidas.

Os medicamentos necessários para evitar ou tratar a anemia e que podem ser usados durante ou logo após a sessão de hemodiálise são a Eritropoetina (HEMAX) e o ferro endovenoso (Nuripurun). O ferro endovenoso pode ser usado um pouco antes do término da sessão de hemodiálise, mas a eritropoetina é, em geral, administrada logo após. Caso seja recomendado o uso destes medicamentos, não tenha pressa para ir embora, espere que os medicamentos sejam administrados.

A fístula Artério-Venosa
Um fácil acesso à sua corrente sanguínea é essencial para que o sangue possa circular até o dialisador e para que retorne ao corpo.

A fístula artério-venosa usada para a diálise é uma ligação entre uma artéria e uma veia, feita através de uma pequena cirurgia. A alteração no fluxo do sangue deixa a veia mais larga e com as paredes mais fortes e resistentes, permitindo então um fluxo de sangue rápido e a realização de várias punções, sem que a veia "estoure". Para que a veia da fístula esteja em boas condições de punção, ou como dizemos, para que a fístula amadureça, são necessárias algumas semanas. Por isso, mais recomendado é que se faça esta pequena cirurgia alguns meses antes de se iniciar a hemodiálise, assim quando for necessária a fístula estará pronta para ser puncionada.

Atenção: Mantenha o braço da fístula bem limpo, lavando sempre com água e sabonete. Isto evita infecções que podem inutilizar a fístula. Evite carregar pesos ou dormir sobre o braço onde está a fístula, pois a pressão sobre ela pode interromper seu fluxo. Qualquer sinal de inchaço e/ou vermelhidão deve ser comunicado imediatamente ao médico ou às enfermeiras.

Faça exercícios com a mão e o braço onde está localizada a fístula, isto faz com que os músculos do braço ajudem no amadurecimento da fístula.

Não permita as verificações de pressão no braço onde esta localizada a fístula, pois o fluxo de sangue pode ser interrompido.

Não permita a retirada de sangue ou o uso de medicamentos nas veias do braço da fístula, a não ser que seu médico ou auxiliares autorizem. As retiradas de sangue podem criar coágulos no interior do vaso de sangue e interromper seu fluxo e os medicamentos podem irritar as paredes das veias.

Caso aconteçam hematomas (manchas roxas) após uma punção, use compressas de gelo, no dia e água quente nos dias seguintes, conforme a recomendação médica ou da enfermagem. É sempre bom evitar as punções repetidas em um mesmo local da fístula, para que não se formem cicatrizes que dificultam as próximas punções.

Algumas dicas para se ter uma boa fístula
Você pode ajudar as enfermeiras e auxiliares a escolher o local menos doloroso, menos utilizado e frágil para a punção no início da hemodiálise.

Tenha o hábito de palpar seu pulso na região da fístula para sentir o fluxo de sangue passando. Caso perceba que o fluxo está muito fraco, diferente do costumeiro ou que parou completamente, procure auxílio médico imediatamente pois este é um sinal de mal funcionamento ou perda da fístula.

Lembre-se: Uma fistula bem cuidada pode durar anos.

Quando a fístula não é possível
O braço é o local mais comum para a confecção da fístula. Quando este local não pode ser usado, as veias da virilha ou da perna podem ser uma alternativa.

O catéter de duplo lúmen permite a retirada e a devolução do sangue, sendo utilizado quando há necessidade de se iniciar o tratamento de hemodiálise mas não houve tempo para a realização da fístula, se ela não amadureceu o suficiente ou ainda se existe algum problema com a fístula.

Nunca falte a uma sessão de hemodiálise.
Quando você deixa de fazer a diálise você pode estar arriscando sua vida.





 

APREV - www.aprev.org.br - Todos os Direitos Reservados - Tel.: (12) 99111-0791 (Claro)
Powered by Interativa - www.grupointerativa.com.br - Tel.:(12) 3633.8202